quarta-feira, 16 de julho de 2008

Pantagruel, pág. 274: bolo burocrático

Ingredientes:

- BI e carta de condução

Modo de preparação:

Vá viver para o estrangeiro mas mantenha a sua morada legal em Portugal e leve consigo todos os seus documentos portugueses. Chegado/a lá fora, bata 2 claras de ovos, deixe-as num frigorífico – os ovos não são para aqui chamados – e vá mas é beber uma cerveja num café. Espere até que lhe roubem a carteira.

Deixe o preparado em banho-maria vários dias. Depois vá à embaixada e explique que quer fazer uma nova carta e um novo BI. O chefe depressa lhe dirá que o BI levará pelo menos um mês e que carta portuguesa é difícil de cozinhar por ali. Junte mais tempero: o BI emitido na embaixada – o tal que leva um mês – tão pouco servirá para fazer uma nova carta em Portugal. Cartas em Portugal só com BIs emitidos em território nacional.

Sete meses depois volte a casa de férias e vá à defunta DGV. Explique que está a cozinhar o bolo Simplex mas que lhe faltam ingredientes. Mostre o passaporte e peça uma segunda via da carta de condução. Fica a saber que o passaporte, ali, não serve como documento de identificação. Não perca a paciência e não argumente. Não pense sequer porque é que o passaporte lhe permite viajar para todo o mundo mas não serve o propósito de fazer uma nova carta. Use o tempo que lhe resta de forma construtiva e vá fazer um novo BI.

Chegado à Conservatória, peça o novo documento. “BIs já não existem. Só cartões do cidadão, podem demorar até dois meses e tem de vir levantá-lo pessoalmente ”, dir-lhe-ão.

Mais uma vez, não argumente contra a administração pública. Pense! Cabeça fria! Procure solução sabendo que precisa do documento e que dali a uma semana e meia vai estar bem longe da Conservatória, logo do novo cartão.

Encontre o toque final para a sua receita num jogo de cintura burocrática que lhe vai permitir sentar-se à mesa e deliciar-se com uma fatia bem suculenta do cada-vez-mais-difícil-de-fazer-bolo.

Faça o novo cartão do cidadão e explique-lhes que não o vai buscar nos próximos 12 meses. Depois, entregue-lhes uma cópia do bilhete de avião de volta a casa para justificar o próximo passo: a requisição urgente de um BI à antiga. Documento na mão, corra ao que resta da DGV antes que feche e peça a sua nova carta.

Bom apetite.

p.s.: receita indigesta, fica ainda assim nota positiva para as minis frescas que acompanham a preparação do prato.

2 comentários:

Vanda disse...

ahahahahahahahahahahahahahahahaha
é dificil ser português
hahahahahahahahahahaha

Calha disse...

(Isto não tem nada a ver com o post) Ouve lá de onde é que vem a ideia do 2H... a modos que me parece que já vi isto em algum lado... quando ganhares dinheiro com o blogg lembra-te que também tenho direito :)

Um abraço...

PS: A quanto está a mini?